Overkill, Stratovarius, Masterplan confirmados para Progpower Usa Festival

quinta-feira, setembro 12, 2013 Adicionar Comentários

OVERKILL, STRATOVARIUS, JON OLIVA'S PAIN, PAIN OF SALVATION, MASTERPLAN e SEVENTH WONDER estão entre as bandas confirmadas para a edição do próximo ano do ProgPower EUA festival, que acontecerá em Setembro 12-13, 2014, em Atlanta, Georgia.

Sexta-feira, setembro 12, 2014

DISCOURSE 
ORDEN 
OGAN 
LEPROUS 
OVERKILL 
SEVENTH WONDER (Tocando "Mercy Falls" na íntegra) 
STRATOVARIUS

Sábado, 13 de setembro, 2014

WITHEM 
DIVIDED MULTITUDE 
VOODOO CIRCLE 
MASTERPLAN 
PAIN OF SALVATION (Tocando "Remedy Lane," na íntegra) 
JON OLIVA'S PAIN (Tocando Savatage "Streets: A Rock Opera" na íntegra)

Os ingressos estarão à venda no dia 1 de Outubro.

Fonte: Blabbermouth

ENTREVISTA COM TIMO TOLKKI SOBRE SUA ÓPERA ROCK AVALON, STRATOVARIUS, ETC

terça-feira, setembro 10, 2013
Recentemente o site espanhol RAFABASA.COM entrevistou o ex-guitarrista do Stratovarius. Timo Tolkki no decorrer da entrevista falou sobre sua Ópera Rock Avalon, Stratovarius, Revolution Renaissance, Symfonia e etc. Confira a entrevista abaixo:

Depois do verão e dos festivais, voltamos com as entrevistas pendentes e a primeira é que tivemos há algumas semanas com Timo Tolkki sobre seu novo projeto, a ópera rock/metal AVALON. Encontramos um Timo muito descontraído, honesto e direto, o que nos contou muitas coisas sobre esse projeto (é uma trilogia), e seu passado recente como STRATOVARIUS. Uma entrevista muito interessante e nós agradecemos o guitarrista finlandês.

- Olá Timo, é um prazer lhe conhecer. Fizemos outras entrevistas falando sobre o Stratovarius, e com os seus mais recentes projetos como SYMFONIA e REVOLUTION RENAISSANCE, mas hoje vamos falar sobre este novo projeto. É uma pena que as bandas anteriores não tiveram o reconhecimento e sucesso que merecia ...

Timo - Bem, eu sou um músico e eu faço músicas novas, então para mim não é uma questão de muito sucesso. Eu também não decido se algo funciona, isso é algo para outras pessoas, mas para ter sucesso ou não, é algo que não tem nada a ver com a pura arte de fazer música, com a necessidade de se expressar e criar novas canções. É claro que é ótimo vender muitos discos, mas às vezes não é assim, e, infelizmente, nem o REVOLUTION RENAISSANCE, nem o SYMPHONIA não fizeram sucesso isso por algum motivo. As pessoas não tiveram interesse e apesar de eu ter sido criticado em algumas mídias ao parar essas bandas não deram certo, tenho razões lógicas para isso.

Tenho 47 anos e eu não posso me dar o trabalho de esperar 10 anos para que uma banda exploda, você sabe. Com o REVOLUTION RENAISSANCE tive mais paciência, mas eu percebi muito rapidamente que o SYMPHONIA não iria funcionar, então por que desperdiçar energia, tempo e dinheiro das pessoas envolvidas neste processo? É a minha maneira de pensar, e algumas pessoas têm problemas com isso, mas me parece bastante razoável. Se algo não funciona, faz mais sentido pará-lo ou mudá-lo ...

- Acho uma decisão inteligente, você fez muito sucesso com o STRATOVARIUS e agora é normal que você se concentre em seu estúdio e em fazer novas músicas, mas de outra forma, ou para outros fins. E com isso, por que você decidiu começar um projeto tão ambicioso como este?

Timo - Eu não acho que seja algo tão ambicioso, eu também não sou uma pessoa ambiciosa quanto à isso. Minha ambição segue sendo fazer música, mas se alguém me chama e me propõe fazer de três metal óperas, por que não fazer algo que eu nunca havia planejado? Também tive muita liberdade, um bom orçamento e muito bons músicos e cantores. Foi a principal razão para isso se tornar verdade, porque hoje existem vários projetos similares e se fosse por mim, talvez não teria feito. De qualquer forma, muitas vezes, fazem projetos como esse e os chamam de "rock ou de metal ópera" ,porém são projetos muito pobres e não têm qualidade suficiente. Estou há 20 anos ou mais neste negócio e eu sei que minha produção tinha que soar bem, mas isso requer dinheiro, que se você não tiver, não vai soar bem. Então, primeiro tivemos que ter as condições adequadas e, em seguida, começar a trabalhar e compor.

- É claro que hoje a referência absoluta para esse tipo de projeto é Avantasia do Tobias Sammet. Eu não sei se pode haver de alguma maneira uma competição saudável entre o AVALON e o AVANTASIA e também entre a Nuclear Blast e a Frontiers quanto a este respeito.

Timo - Havia duas opções a este respeito, mas eu não gosto de ver as coisas tão simples. Para fazer uma ópera-rock é um conceito genérico, e é claro que Tobias fez um muito bem sucedido, mas isso não significa que os outros têm de ir por esse caminho necessariamente. Eu tenho feito com canções Stratovarius desde ‘87, e estava lá quando o Power Metal começou a se tornar chato e também agora. Quer dizer, eu tenho o meu próprio caminho e também todo mundo tem que adaptar ao seu estilo e sua criatividade para o projeto em que está, não acho que Tobias faça o mesmo no EDGUY e no AVANTASIA. Não é esta uma religião você tem que seguir um único caminho, mas é música, e eu estou realmente discordo com aqueles que pensam que tenha que ser assim.

Por outro lado, eu sempre pensei que no heavy metal especialmente as pessoas deveriam estar unidas, não divididas, e não entendo que alguém pode ser fiel a uma única coisa e depois dizer que o resto é uma merda ou algo assim. E há óperas rock dos ’90, o SAVATAGE já fazia há muitos anos e desde então há  muitas, mas talvez o Tobias foi o mais bem sucedido e agora  todo mundo o compara. No final, cada projeto é diferente e, como na música clássica, seria melhor uma fórmula genérica, que no nosso caso pode ser o fato de ser usado vários cantores, mas não acho que Puccini copiou Rossini ou o que seja.

- Vamos falar do AVALON em si... Conte-nos como é esse disco e explique-nos, porque eu entendi que essa é a última parte de uma trilogia, se não me engano.

Timo - Sim, é curioso que a última parte da trilogia vem em primeiro lugar, mas o que fiz foi escrever a história completa primeiro e dividi-la em três partes... Esta ópera fala basicamente o que eu penso que vai acontecer nos próximos anos. A humanidade não aprende, e histórica e coletivamente nós ainda não sabemos como operar, e se você reagir, danos a natureza já está feito. Além disso, temos de perceber que tudo o que fazemos tem consequências, e que teremos de enfrentar no futuro, e certamente não é agradável. É algo que eu queria incorporar na minha ópera, mas sem corantes apocalípticos ou qualquer coisa assim. De qualquer maneira, é um álbum que pode ser apreciado como um álbum "normal" de heavy metal com suas músicas separadamente e por isso eu quero dizer, apenas ouvindo a música sem necessariamente prestar muita atenção para a história. Mas se você está interessado no que o disco conta, há história lá.

- Pensando sobre isso, é uma pena que hoje as pessoas não prestam muita atenção às histórias dos discos, nem mesmo as letras ou o conceito do álbum... algo que não acontecia. Antes de discos parecia muito juntos, você lia as letras e outras coisas, mas parece que agora só importa as músicas individuais e se perdeu muito o interesse nesse sentido.

Timo - Verdade, mas é que a indústria da música tem sofrido muito grandes mudanças nos últimos anos. Também é verdade que há muito mais música do mundo, e poucas pessoas se importam de ver e considerar o disco como uma completa obra de arte. Na verdade, eles se tornaram produtos de consumo massivo, embora não tanto metal, mas também. Lembro-me de ouvir discos do MAIDEN nos anos 80 e 90, como um "Piece of Mind", que é um clássico da da história... Agora estamos na era digital e vamos ver o que será no futuro, tudo vai muito rápido e veremos o que acontece.

- Embora alguns ainda insistem, digo no bom sentido, em fazer os discos da maneira antiga...

Timo - Sim, mas é muito difícil hoje em dia, não estamos mais nos velhos tempos, e você tem que se adaptar às mudanças e saber como está e o que acontece na cena musical atualmente. Enfim, coisas como Spotify para mim é uma coisa terrível, é algo que eu discordo completamente porque a música torna-se streaming. Para mim, é outra coisa, porque eu compro peças de música, por assim dizer, mesmo pagando por uma música... Acho que é interessante de qualquer maneira para ver o que vai acontecer no futuro.

- Vamos voltar a falar sobre o álbum, e eu quero comentar sobre os cantores. Como surgiu a oportunidade de contar com pessoas como Rob Rock, Russel Allen, Elyze Ryd, Sharon Den Adel, Michael Kiske... Como surgiu a idéia e como você em contato com eles, você ou a empresa?

Timo - Tudo começou um pouco enquanto eu ia compondo as músicas e a história em si, também. Enquanto estava desenvolvendo a história, vinham na minha cabeça alguns vocalistas. Aqueles que tinham mais claro que eram so que eu precisava mais foram os que entrei em contato antes, e foi uma sorte que todos disseram que sim. A empresa respeitou e apoiou a maioria das sugestões que eu fiz, e a única "imposição" deles era Elyze Ryd (do AMARANTHE), eu não conhecia, mas eles me mandaram alguns materiais seus e eu percebi imediatamente que era uma cantora fantástica. Entrei em contato com ela e pudemos nos ver em Helsinki, quando sua banda tocou por aqui; falei sobre a minha proposta e do projeto e, no final, ela foi capaz de gravar as vozes em dezembro.

Enfim, eu estava trabalhando 6 ou 7 meses neste álbum em segredo, e ninguém sabia o que eu estava fazendo ou no que estava envolvido. Foi ideia da Frontiers, mantê-lo completamente em segredo digo, e, desde então, houve alguns vídeos no Youtube sobre "um novo metal ópera" com o meu nome em frente do projeto e tal. Acho que foi uma idéia de sucesso para a promoção, algo inteligente, e desde o início ele recebeu uma grande resposta e expectativa. Isso dá muita força para ir em frente com o projeto, e é ótimo que está sendo recebido de forma positiva, porque eu realmente gostei de fazê-lo.

- Por falar nisso, nos conte como é o processo "normal" de trabalho para fazer um álbum desse tipo. Supondo que você e sua banda estão em seu estúdio, porém os cantores trabalham em seus próprios estúdios gravando suas partes ou algo assim. Como se trabalha nesses projetos, Timo?

Timo - Bem, nessas situações, eu prefiro trabalhar com as pessoas presentes o máximo que puder. Para este álbum em particular, eu estive na Alemanha, gravando as baterias com Alex Holzwarth, e passamos uma semana em Munique. Então, eu também passei uma semana com Elyze (Ryd, vocalista do AMARANTHE), na Suécia, embora ela não goste de ninguém lá enquanto ela canta, e sempre grava seu material sozinha no estúdio. E também o caso de Russell Allen e Rob Rock, que são americanos, então a situação é diferente, porque eu não podia voar para lá ou eles virem até aqui, então gravaram suas coisas por conta própria. Hoje em dia é difícil compartilhar arquivos de áudio, vídeo e assim por diante, mas o único problema é que você não sabe como vai soar e se será 100% até que você tenha a sessão final, as primeiras mixagens e outros. Bem, nesse sentido vai um pouco o mesmo com qualquer disco, que quando você começa você não sabe exatamente como vai ficar até misturar os instrumentos e vozes. Mas faz parte do jogo, e funciona bem.

- Vamos falar de várias músicas, e eu adoro, por exemplo, para começar a "Avalanche Anthem", que é exatamente um hino muito poderoso do heavy/power metal, como diz o título. Eu acho que é um grande começo para abrir o álbum, e eu acho que essa era a idéia...

Timo - Sim, isso é certo, e eu realmente queria uma música assim para jogar na sua cara, você sabe, algo que introduz imediatamente o que será o disco. Nesta canção, há três vocalistas e, bem, alguns jornalistas criticaram a ordem das músicas no álbum, mas é algo muito pensado. É que eu tenho escrito músicas em que a ordem é de propósito, porque é também a história, portanto, você não pode colocar em outra ordem, é claro. É por isso que "Avalanche Anthem" para iniciar e, em seguida, há três músicas mais rítmicas e bateria poderosa, então uma balada e dois a tempo parcial, e, em seguida, duas músicas rápidas e, finalmente, volta com uma balada antes da faixa-título, "The Land of New Hope ". Eu sei que não é normal para um disco de metal, mas para mim era a única maneira de se acalmar antes do grande final e grande som da última música.

- A música que se gravou o videoclip como uma primeira apresentação do álbum é "Enshrined In My Memory", com a grande presença e voz de Elyze. Como as pessoas receberam a música e por que escolher precisamente esta canção como single?

Timo - Acho que não há nada de errado com o uso de uma menina bonita em um vídeo, certo? (risos). Foi uma das ideias para o vídeo da empresa, e minha também, mentiria se dissesse o contrário. Por outro lado, é provavelmente a música mais comercial do disco, e mesmo quando eu estava no STRATOVARIUS sempre escolhemos esse tipo de músicas como singles: "Hunting High and Low", "Eagleheart"... Nós também queríamos criar alguma confusão com este vídeo no sentido de que as pessoas vão ver e será levantada a questão se isso era realmente uma "ópera metal", que parece mais uma proposta para concurso Eurovision (risos).

Enfim, eu sempre gostei de escrever canções toque rápido, ou canções com esse ponto sensível, quer baladas ou não. Por isso precisamente que o STRATOVARIUS nunca foi uma banda de power metal no sentido estrito do termo, porque tínhamos várias músicas que eu escrevi isso, como "Forever", "Seasons of Change" ou "Coming home"... eu digo que não você pode dizer que foi 100% de power metal, e aqui vai um pouco do mesmo, no sentido de tentar atrair pessoas diferentes a partir desta ópera, inclusive em nível vocal.

- Continuando com as músicas, eu amei "In the Name of the Rose", muito preciosao e muito bonita. Não tenho certeza, mas eu acho que Sharon Arden e Russell Allen quem cantam, certo? Eu acho que uma das melhores músicas...

Timo - É um dos meus favoritos também, embora não seja Sharon mas sim Elyze quem canta aqui, e depois há também Russell (Allen) e Rob Rock. É outra canção com três cantores, além de uma canção realmente emocional. É uma balada "normal", mas também um muito pesado... É definitivamente uma das minhas favoritas de todo o disco, sim.

- Eu também gostei "To the Edge of the World" com a voz de Rob Rock. Talvez uma das músicas mais semelhante ao STRATOVARIUS de alguma forma, certo?

Timo - Sim, é, é que eu compus centenas de canções como esta para a banda no passado. É claro que é difícil desassociar com algo novo e 100% fresco neste momento, mas o interessante e refrescante é fazer tendo novas pessoas ao redor. Por exemplo, nunca trabalhei com um cara como Rob Rock antes, e é isso que me dá vida nova e vontade de continuar. É que depois de 15 anos com as mesmas pessoas que ficam presos e parou em uma fórmula, e é fácil cair na repetição, porque é sempre as mesmas pessoas, você sabe.

No final, eu acho que é uma das principais razões que as bandas se separam, e não há nada de estranho no fato de que ninguém disse que bandas de rock tenham que ficar juntos para sempre. Eu acredito no fato de que a mudança de membros e trabalhar com pessoas diferentes é muito estimulante e é bom para o grupo, porque sempre traz algo novo para a música. E para mim "To the Edge of the Earth" é um exemplo claro disso... Por exemplo, no jeito de cantar,  Rob tem uma voz mais dura e áspera que Kotipelto ou Kiske. Isso é o que faz esta música diferente de uma do STRATOVARIUS, na minha opinião.

- Uma das curiosidades do disco também está envolvido o seu antigo companheiro Jens Johansson (tecladista do STRATOVARIUS), um velho amigo seu que eu entendo que você ainda mantém contato e bom relacionamento. Como foi trabalhar com ele novamente e como é a sua relação atual com Jens?

Timo - É que toda essa questão do Stratovarius é muito grande, e a imprensa tem sido mal-intencionada e tem dado versões contraditórias e negativas sobre tudo o que acontece ou aconteceu. De qualquer forma, quando eu saí da banda, todas as brigas públicas foram um erro, porque isso é algo que os fãs não devem ver. Tivemos divergências sobre algumas coisas, como pessoas que somos e nós não pensamos o mesmo sobre o que acontece ou o que fazemos, mas isso não deveria ter se tornado público. Quando termina uma banda que tem sido tão grande e tem feito muito sucesso, é claro que há muitas emoções e sentimentos envolvido por todas as partes.

Hoje eu estou com boas relações com todos, mas Timo (Kotipelto), que é o que não quer saber nada de mim, e isso é muito triste, porque houve um tempo quando nos voltamos juntos e passavamos muito tempo no mesmo barco . Nós giramos quatro vezes o mundo inteiro e houve muitos momentos mágicos, e eu fui seu amigo, mas quando eu tentei entrar em contato com ele não quis saber nada de mim. Eu tenho que respeitar a sua decisão, mas não é algo que eu gostaria e ficaria feliz em tomar um café juntos e pedir desculpas pelo que fiz, e conversar sobre coisas. Eu acho que seria bom para a cabeça de todos fazer isso, mas como eu digo que com Jari, Lauri e Jens as coisas estão bem.

- Com o que você mencionou, eu acho que não se fecha a porta para um acordo no futuro, certo?

Timo - Eu continuo dizendo que eu adoraria que pudessemos fazer outro álbum juntos e não continuar com essas coisas bobas. Poder ficar juntos em um quarto e voltar a fazer um álbum de Power Metal do STRATOVARIUS. Eu realmente adoraria, mas...

- Voltando a AVALON, você tem alguma idéia de fazer algo ao vivo com ele? Suponho que seja difícil para um projeto desse tipo...

Timo - É difícil, no sentido econômico, porque o mais caro e complicado para fazer isso é levá-lo para a estrada. Se o álbum for um sucesso e haver uma demanda para ver concertos baseados no AVALON, a porta estará aberta, mas se isso não acontecer, será impossível. Mas eu digo que, se tudo correr bem vou começar a pensar sobre isso, e ver as condições em que podem apresentar este projecto e com quem ele poderia contar. É verdade que Frontiers tem a idéia de lançar um DVD ao vivo, mas depois dos três álbuns da trilogia estarem completos, pelo menos é o que tenham me dito...

- Mas esta é uma ideia a longo prazo, recém acabou de lançar a primeira parte...


Timo - Bem, mas creio que o próximo álbum saia em maio de 2014,  ea próxima seria em Maio de 2015, por isso não é tanto tempo. Estou em contato com novas pessoas para a continuação, eu gostaria de contar com músicos diferentes em cada CD.

- Falando em shows, em uma das últimas entrevistas que fizemos no passado, você me disse que, agora que tens mais materiais seria uma boa idéia formar uma banda e cair na estrada tocando músicas de todas as suas bandas e projetos anteriores, incluindo o STRATOVARIUS. Você ainda tem isso em mente? Você sente falta de tocar ao vivo regularmente ou realmente não?

Timo - Até hoje eu não perca a estrada, mas eu estive pensando em algo assim, porque eu tenho algo tipo 400 músicas para tocar no meu legado. No entanto, o circuito de tocar mudou muito, há muitas bandas tocando ao vivo lá e atualmente não há público suficiente para todos. No final, só funciona ou sobrevive o maior ou mais forte, e honestamente eu não quero tocar para 80 pessoas. Isso é algo que eu fiz há 25 anos atrás, quando eu comecei com o STRATOVARIUS, que chegamos a fazer um show para 6 pessoas e um cachorro... eu não estou interessado em algo assim, porque é muito difícil fisicamente e mentalmente e não compensa nessas condições. No meu caso atual, deve ser uma tour bem organizada e promovida, e tocando para um público mínimo de 500 pessoas. Caso contrário, você não faria mais nestas alturas. Quer dizer que se não for assim, prefiro ficar na minha casa e fazer música nova.

- Por falar nisso, o que nos conta dessa idéia PROJECT STRATO, a banda formada por ex-membros do STRATOVARIUS, que deve estar pronto para 2014, como você mencionou antes? Esta idéia ainda está ativa e você já está trabalhando nela ou não?

Timo - Sim, os antigos membros do Stratovarius estam em contato regularmente e é uma idéia em nossas cabeças durante os últimos três anos ou mais. Temos composto algo juntos e até mesmo temos tocado algumas vezes juntos em particular, mas que ainda estamos pensando se realmente queremos fazê-lo ou não. É que muitas pessoas com expectativas muito altas para isso, inicialmente iríamos chamar Dreamspace, mas não necessariamente tem que ser algo metal. Por exemplo Tuomo (Lassila, baterista original do grupo) e Antti (Ikonen, o tecladista originai) não são metaleiros e nunca foram, e uma das coisas que disseram é que se fizerem um álbum com isso, dificilmente seria algo de heavy metal, mas sim algo mais PINK FLOYD, você sabe. Eu entendo um pouco e concordo com o que eles dizem, mas não acho que isso aconteça com as expectativas das pessoas sobre este projeto em potencial, buscando uma continuação do álbum "Dreamspace" ou qualquer outra coisa. Mas de qualquer forma mantemos contacto regular e pensamos ao longo do tempo sobre isso. E se no fim acontecer, no próximo ano seria o momento perfeito, porque ele é o 30 º aniversário desde que o STRATOVARIUS começou a tomar forma.

- Para finalizar, eu sei que você está envolvido em um livro, também está centrado em seu próprio estúdio e teu trabalho de produtor, fazendo novas músicas... O que você quer dizer-nos sobre o seu futuro imediato, e o que está em sua cabeça nos próximos anos?

Timo - A primeira é a de compor canções e terminar esta ópera. Então talvez seja hora de pegar a estrada para tocar músicas da minha carreira. De qualquer maneira, eu não costumo pensar no futuro, mas viver o momento presente e as coisas estão aparecendo no meu caminho, como é o caso de Avalon, que era algo inesperado. Ele veio e pegou, e de alguma forma é o que vou fazer nos próximos três anos, embora haja também alguns outros projetos da Frontiers, por exemplo, vou fazer o próximo álbum ALLEN/LANDE: compondo músicas e produzindo o álbum. Também componho diferentes tipos de música, que escrevo, as vezes, para artistas pop e tenho a minha própria empresa de produção. Hoje eu vivo uma vida muito tranqüila, que é a minha casa e meu estúdio, tudo muito simples. Atualmente é a forma como eu vivo e que eu faço.

- Ok, Timo, muito obrigado pelo seu tempo e parabéns por um álbum fantástico. Vai ser ótimo vê-lo na Espanha a próxima vez que você vir, como nos velhos tempos que você passou normalmente em Madrid...

Timo - Sim (risos), eu estive muitas vezes. Além disso, eu conheço o Rafa há muitos anos, desde de 95 ou 96, e agradeço a todos que estão participando na web pelo apoio que sempre me deram e apoiando a cena do metal espanhol a partir da início.

Tradução: Marina Cruzeiro

Fonte: RAFABASA.COM

ROCK POD KAMENOM 2013: ENTREVISTA COM TIMO KOTIPELTO E LAURI PORRA

terça-feira, setembro 03, 2013
Foto: METALLINGS.RU
Recentemente o site METALMANIA-MAGAZÍN entrevistou Timo Kotipelto e Lauri Porra no festival Rock pod Kameňom, na Eslováquia. Confira abaixo entrevista na íntegra:

Começamos uma série de entrevistas com dois membros da banda Stratovarius. Tornou-se uma situação um pouco curiosa para mim. Timo Kotipelto, durante a nossa entrevista, fez uma ligação para discutir alguma coisa. Portanto, uma parte da entrevista é com Timo e outra parte com o baixista Lauri.

Olá Timo, o que você diria para o público de hoje?

Timo Kotipelto: Estava ótimo, muito, muito bom. As respostas também foram excelentes.

O quão satisfeito você está com a aprovação do novo álbum?

Timo Kotipelto: É muito melhor do que eu esperava. É muito moderno, que poderia dizer que um pouco mais progressivo. Algumas críticas, mas são muito boas, eu estou surpreso. Nós tentamos mudá-lo, e tivemos muito sucesso, eu acho.

Eu pessoalmente fiquei um pouco surpreso as canções Unbreakable e Halcyon Days do novo álbum. Você não teve medo de como seus fãs reagiram?

Timo Kotipelto: Eu não tinha preocupações, mas fiquei um pouco surpreso com as respostas. Essas músicas são mais envolventes, esta é, provavelmente, a principal diferença.

O quão satisfeito você está com o baterista Rolf Pilve?

Timo Kotipelto: Estamos muito satisfeitos. Desculpe, mas eu tenho algo urgente para cuidar, tenho que ir. Por favor, continue com o Lauri.

Lauri Porra:

Oi Lauri, o que você diria para a audiência de hoje?

Lauri Porra: Eles foram muito bons, o desempenho foi ótimo. Estamos muito felizes que chegamos ao festival, embora a viagem nos levou a maior parte do dia.

O que você me conta sobre o novo álbum?

Lauri Porra: Traz uma série de novidades em nossas músicas, é inovador, após 15 anos de nossa música. É um álbum muito bom, traz muitas, muitas novas e novas iniciativas... É ótimo! 

Este ano o ex-guitarrista Timo Tolkki lançou um álbum. Você ouviu?

Lauri Porra: Eu ouvi alguma coisa dele, pareceu-me bom.

Qual sua posição após este festival?

Lauri Porra: Amanhã vamos para a Itália, vamos tocar em um festival, e em setembro vamos viajar para a República Checa.

Bem, obrigado pela entrevista e discurso e peço um link para os fãs de metal eslovacos.

Lauri Porra: Iiiiincrível, muito obrigado, Eslováquia :-) Espero que nos próximos anos possamos voltar para fãs de metal eslovacos, porque a Eslováquia é um grande país 

PLACE VENDOME: CONFIRA SAMPLES DE THUNDER IN THE DISTANCE

segunda-feira, setembro 02, 2013

Place Vendome "Thunder in the Distance" será lançado pela Frontiers Records.

Datas de lançamento:
EUROPA: 01 de novembro
AMÉRICA DO NORTE: 05 de novembro

Tracklist: Talk To Me; Power of Music; Broken Wings; Lost in Paradise; It Can't Rain Forever; Fragile Ground; Hold Your Love; Never Too Late; Heaven Lost; My Heart is Dying; Breakout; Maybe Tomorrow; Thunder in the Distance.

Michael Kiske - Vocal
Dennis Ward - baixo, vocais, guitarras rítmicas
Dirk Bruineberg - Bateria 
Gunter Werno - Teclados
Uwe Reitenauer - Guitarras

Mixado e produzido por Dennis Ward

'Thunder In The Distance', terceiro álbum do Place Vendome será lançado em Novembro pela Frontiers Records. O projeto trás Michael Kiske (UNISONIC, ex-HELLOWEEN) nos vocais e conta com produção e mixagem de Dennis Ward (PINK CREAM 69, UNISONIC. As músicas foram escritas por vários compositores, incluindo, Magnus Karlsson (PRIMAL FEAR), Timo Tolkki (ex-STRATOVARIUS), Alessandro Del Vecchio (HARDLINE), Tommy Denander (RADIOACTIVE), Sören Kronqvist (SUNSTORM, ISSA), Andrea Cantarelli (LABYRINTH, A PERFECT DAY) e Brett Jones supervisionados pelo produtor executivo Serafino Perugino.



Fonte: YouTube