Entrevista com Timo Tolkki, músico fala sobre o Stratovarius, Symfonia e Avalon

segunda-feira, novembro 25, 2013 Adicionar Comentários

Entrevista com Timo Tolkki

Por Dave Smiles

Depois de deixar o Stratovarius em 2008, Timo Tolkki continuou a escrever e gravar música . Seu projeto mais recente, Avalon, é uma Metal Opera . O primeiro lançamento da banda, The Land of New Hope é parte de uma trilogia.

Timo recentemente respondeu algumas perguntas para Full Throttle Rocha sobre ser um músico , suas opiniões sobre o estado atual da indústria da música , fama e atenção da mídia, e reduzindo alguns dos mitos associados com transtorno bipolar. Também discutimos o projeto Symfonia  e a possibilidade de trabalhar com Stratovarius novamente.


Qual foi a inspiração para a história por trás de The Land of New Hope?

Para a história foi principalmente a partir de minhas próprias observações de onde este mundo e a humanidade estão indo . Espero que eu esteja errado, mas só parecia ser uma boa ideia fazer uma trilogia sobre este assunto. Eu escrevi a história toda de uma só vez, e separei em três pedaços e The Land of New Hope é realmente o fim da história para o primeiro álbum é uma espécie de último ao mesmo tempo.

Você toma alguma inspiração de ler romances , em caso afirmativo , que são alguns de seus autores favoritos?

Esses dias eu realmente não leio muito. Eu nunca li romances. Uma vez que eu tentei ler O Senhor dos Anéis quando eu tinha 14 anos , mas parecia de alguma forma chato para mim. Eu passei por uma fase em torno de 1998-2002 , quando eu li mais de 1000 livros sobre psicologia e comportamento humano, mas nos dias de hoje , se eu ler alguma coisa , provavelmente é algo a ver com tecnologia da música.

Você já trabalhou com alguns dos principais talentos neste álbum, Michael Kiske, Derek Sherinian , Tony Kakko , Sharon Den Adel, para citar alguns. Foi difícil obter as colaborações em ordem, e estavam lá todos os nomes que estavam em sua lista de desejos que não participaram do álbum? - Se assim for, podemos esperar para ouvir alguns deles nas próximas duas partes?

Não, não foi difícil. Eu só perguntei-lhes e todos disseram que sim. Eu ainda acho que é um bom álbum depois de meio ano da libertação. Na verdade, estamos começando a gravar a bateria para a próxima parte de Avalon com o meu ex -companheiro de banda e fundador do Stratovarius, Tuomo Lassila na próxima semana. Vai ser legal trabalhar com ele depois de 20 anos. Seu principal trabalho é como um percussionista na Orquestra Sinfônica .

Jens Johansson está no The Land Of New Hope. Você se vê trabalhando com mais de seus ex- companheiros de banda no futuro?

Bem, é possível. De fato , na semana passada recebi um e-mail estranho pouco de sua gestão em relação a algo que soou bastante interessante. Eu tenho que dar -lhe algum pensamento primeiro antes que eu possa falar sobre isso.

Quais são algumas de suas memórias favoritas do seu tempo com Stratovarius?

2.500 shows, 24 anos , 300 canções escritas , 2 milhões de álbuns vendidos e quantidade insana de trabalho na produção de todos os álbuns. Eu estava lá o tempo todo, porque era a minha visão artística. Tive a sorte de ter bons músicos e eu acho que eu estava lá no início para criar este formato musical chamado Power Metal. Ultimamente tenho conseguido algum reconhecimento sobre isso e é bom, porque eu realmente trabalhei duro na música, os arranjos e a produção. Era 24/7 trabalho realmente. Para mim Strato praticamente estava morta depois de 2004, em relação a todos os aspectos. Algo estranho aconteceu lá e há um pouco de desinformação sobre isso na mídia e na internet, mas não há nada que eu possa fazer para isso.

Quando você estava aprendendo música e como a tocar guitarra você ter aulas formais, ou você está na maior parte autodidata?

Bem, eu tenho uma vista talvez bastante radical em relação a isso, mas eu não acho que a música pode ser ensinado. Eu acho que você nasce com ele e, em seguida, espero que seus pais vão nutrir este presente, de uma forma ou de outra. Eu tive algumas aulas, mas eles meio que te forçam  dentro de alguma caixa e eu nunca me senti confortável ser encaixotado.

Após Symfonia  você anunciou sua aposentadoria do mundo da música , mas que você não ter desistido de música completamente. " Isto foi devido a uma desilusão com o negócio, ou a necessidade de manter a música mais pessoal para você?

Há um lado comercial de tudo, se você quer ser um músico profissional e ganhar a vida a partir de fazê-lo. Muito do que eu disse sobre Symfonia veio a decepção com o fracasso dessa banda devido a quantidade insana de trabalho que eu colocar nele. Em retrospecto, a banda não tinha futuro. Eu e Andre Matos não nos dávamos muito bem. Ele é um gênio e deve prosseguir sua própria carreira e fazer o que ele quer fazer. 

Eu estou fazendo o mesmo. Uli Kusch foi uma grande decepção e, em seguida, ele abandonou a música por completo e trabalha como carpinteiro estes dias. Isso é legal , não é exatamente o que nós concordamos. 

Mas como eu disse, eu fui abençoado de ter nascido com um dom da música e de uma forma ou de outra, eu não consigo me ver  não me expressando nesse campo.

Qual é a sua opinião sobre o estado atual da indústria da música? Onde você vê as coisas com o desenvolvimento de download de músicas?

É a pergunta e eu acredito que varia de um estilo de música para outro. Os fãs de metal ainda estão comprando CD . Mas é verdade que há uma grande mudança acontecendo agora e vai ficar cada vez mais difícil ser um músico profissional. CD será obsoleto em 10 anos eu acho e vinil não é o salvador. As quantidades são muito pequenas. Acho que vamos ver mais e mais música indo para serviços de streaming e artistas se paga cada vez menos o que pode forçá-los a interação direta com seus fãs. Isto é muito difícil se você é uma banda de partida. Em qualquer caso, parece que ela vai ficar completamente na internet e eu acho que vai ser tudo transmitido no final. Infelizmente. Isso força ninguém a não correr qualquer risco que possa contribuir para uma música interessante que está sendo gravado e lançado com resultados apenas muito formalizados e, talvez, não a música tão interessante.

Tem sido sugerido que a criatividade é muitas vezes associada com a doença mental . Você concorda com isso? Se assim for, você trocaria sua criatividade para não sofrer um transtorno bipolar?

É uma questão complicada. O que é doença mental e como você define isso? Quem não é doente mental neste planeta? Eu não considero que a minha doença não tem nada a ver com a música que eu escrevo, porque se você está na fase maníaca ou depressiva, você não é capaz de criar qualquer coisa. O pouco de um mito, como tal, é de toda a doença. É incurável eles dizem, mas é tratável. Eu diria que ter escrito músicas desde 1982 e foi tocar guitarra por 40 anos, eu não posso dizer que a doença tem tido muito impacto para minhas músicas. Eu acho que as razões são completamente em outro lugar.

Tendo tido muito de sua vida analisada pela mídia, qual é a sua opinião sobre a fama?

Também varia de onde você está em sua carreira. Voltar na década de 90 , quando o álbum Visions realmente decolou , era fácil pensar que você é um deus e mestre quando ouviu isso todos os dias e que realmente alimenta o seu ego. Mas à medida que os anos passam , você percebe que a única coisa que você pode realmente confiar e pelo que tudo depende , é o seu talento musical. Ou você tem ou você não tem isso . É assim que eu vê-lo de qualquer maneira. Fama não significa nada para mim, é uma campanha publicitária, uma entidade que realmente não existe. É uma ilusão criada pela mídia e está sendo alimentada pelo ego músicos famintos. Mas não vejo nada de errado com isso. É parte do jogo, eu acho.

Muito obrigado por ter tempo para responder a essas perguntas e para os anos de música incrível.

De nada Dave. Gostaria de aproveitar a oportunidade para convidar a todos para www.avalonopera.com para ver o processo da tomada do álbum de Avalon 2 em tempo quase real com vídeo blogs e todo tipo de coisas interessantes.

Tradução: Daiane Aguilar 

O tecladista Antti Ikonen junta-se ao novo line-up de Avalon

sábado, novembro 23, 2013 Adicionar Comentários

O tecladista original do Stratovarius Antti Ikonen juntou-se ao line up de Avalon. Ele tocou todos os teclados nos álbuns clássicos do Stratovarius como "Fright Night", "Twilight Time", "Dreamspace" e "Fourth Dimension".

Você pode assistir seu vídeo de saudação abaixo:


As gravações do novo álbum de Avalon terá início no dia 25 de Novembro no East Sound Studios em Helsinki na Finlândia com as gravações de bateria e Timo, Tuomo e Antti irão se reunir no estúdio juntos pela primeira desde 1995. O novo álbum contará com 11 faixas com um lançamento previsto durante 2014 pela Frontiers Records.

Os caras estão em grandes espíritos e Timo Tolkki afirma:

"É incrivelmente refrescante para criar e reproduzir música nova com seus velhos amigos e que o espírito ea atmosfera foi absolutamente fantástico e positivo!"